Translate

22 setembro 2011

Sou onda que arrebenta

Na ponta de um istmo
Na beira de um farol
Vejo ilimitante
A linha do horizonte
Olho para cima
E sem limitações
Está a linha do Universo
E de repente o corpo chora
A alma assim imensa
Sem caber na limitante
Ferida
Do corpo débil
Vencido
Vencendo
E o pranto
Aumentando
A Imensidão do mar
Torna-me onda
Que arrebenta
.
Criado e postado por Márcia Fernandes Vilarinho Lopes

2 comentários:

  1. Tomara que não, minha amiga. Deus te proteja ao som de um violino! Um abraço, Yayá.

    ResponderExcluir

Deixe seu comentario. Ele é muito importante para este blog poder crescer.